sexta-feira, 17 de dezembro de 2010

Guns 'n' Psychologists


Imagem por: ~cherrykizZ

Escrevo este poema enquanto tenho fome
Banhado pela lua que cresce em minha janela
Ninguém entende que não quero andar por estas ruas
Com essas pessoas que me olham com seus olhos grandes

Gasto minhas calorias de trabalho e potência
Escrevendo textos cada vez mais depressivos
Devido à minha aversão pseudo-social
Pseudo-alguma-coisa

Pois aquele que me desfere a facada final
Não é tu, Brutus, ó meu filho
Mas sim tu, maldita sociedade
De pessoas e pessoas

Guardem uma vaguinha aí no inferno
Sim, eu sei que está bem lotado
Mas logo estarei chegando...

Armas ou psicólogos
Qual devo escolher?
O que estiver mais próximo...

domingo, 12 de dezembro de 2010

O Elevador Nosso De Cada Dia


Imagem por: ~GoncaloBorgesDias

Cansado depois do oitavo cigarro enquanto assistia aos programas fétidos de domingo, ele levantou-se de sua poltrona e abriu a porta do apartamento, saindo. Entrou no elevador, apertando o botão para o térreo e então se se encostou à parede, olhando para o visor que indicava o andar em que se encontrava; números mudando com certa frequência. Chegando ao térreo, a porta do elevador abriu e ele notou que o lugar estava vazio. Olhou para a porta lá no final do salão, com a luz da tarde iluminando o lugar. Apertou novamente o botão, agora para o último andar.

Sentou-se no chão do elevador, abraçando suas pernas. Ficou por muito tempo assim, subindo e descendo sentado naquele chão sujo e frio com as marcas de sapato daqueles que saiam cedo para o trabalho. Depois de certo tempo, voltou para seu apartamento. Minutos depois, uma garota entrou no mesmo elevador portando uma pistola e cometendo suicídio de frente ao espelho. Os botões ficaram manchados de sangue.

sexta-feira, 10 de dezembro de 2010

Sociedade dos Poetas Porcos


Imagem por: ~LaranjaMechanic
Poema nosso de cada dia
Perdoai as ofensas da literatura
Não entendes a situação?
Criamos o poeta-criatura!

Essa poesia de hoje em dia
Não passa de fachada financeira
Não adianta comer poesia
Mal vale gastar frigideira

Cada poema vale um real
Encha o livro deles então!
Pra enganar os pobres tolos
Fale de amor ou paixão

Pois é isso que as pessoas
Leem em suas casas agora
Sabe como é a vida moderna
Pra ler coisa boa não tem hora

Faça então um best-seller!
Coisa do momento, mas que rende
E ainda fica bastante reconhecido
Por cada livro que vende

No fim das contas eu sei
Que a poesia virou dinheiro
Moeda de troca desses poetas
Poetas porcos de chiqueiro

quarta-feira, 8 de dezembro de 2010

Lampião Modernizado


Imagem por: ~DarkArlequin
Meus dias frustrados
De Lampião modernizado
Pega teu facão!
Acenda teu cigarro!
Hoje em dia não ando a pé
Só ônibus ou carro

Maria bonita morreu
Agora sou apenas eu
Meu bando nunca existiu
Cangaceiro que é cangaceiro vive só
Arrastando sua chinela no chão
Limpando a algibeira do pó

Hoje coronel ainda existe
E a pobreza ainda persiste
Os macacos agora mais arrumados
Mas a mesma macaquice de outrora
Pega tua arma, soldado!
Mata um bandido a cada hora

E assim vive o Lampião
De caneta e papel na mão
Tua única arma!
Teu único firmamento
Nessa terra arrasada
Livrando do sofrimento.

segunda-feira, 6 de dezembro de 2010

Mãe Natureza


Imagem por: ~DigitalPhantasy

Mãe Natureza
Seus seios sedutores
São morros e relevos
Sua pele é macia
Coberta de plantas e animais

Mãe Natureza
Seus olhos brilhantes
Minerais preciosos
Escorrendo lágrimas
De rios e lagos

Mãe Natureza
Sua voz atraente
São cantos dos pássaros
E seus gemidos excitados
São uivos noturnos

Mãe Natureza
Cipós e árvores
Trançam seus cabelos
Perfumados docemente
Pelo perfume das rosas

Mãe Natureza
Sua respiração ofegante
Das ventanias furiosas
Suas pernas trêmulas
Como dois terremotos

Mãe Natureza
Seu suor excessivo
Vindo das chuvas
Seu gozo ofegante
Do vulcão em erupção

Mãe Natureza
Quero adentrar teu corpo
De cavernas e grutas
Procriar contigo
Híbridos animais e homens

quinta-feira, 2 de dezembro de 2010

Dor de Existir


Shinji Ikari, anime Evangelion

Eu existo.
Mas, ao mesmo tempo, eu também não existo.
Porque a minha existência é insignificante.
É. Insignificante.

Então... Como algo que existe pode coexistir com a sua inexistência?
E vice-versa?
Tudo tão confuso.

Não importa.
Sim, não importa!
Só o fato de você existir, independente da coexistência de inexistência
Significa muito! Muito mesmo!

Mas ainda sim dói.
Dói saber que toda a sua existência independente da coexistência, enfim!
Não vale nada.

Não vale nada.
É isso!
A real resposta para toda essa existência e inexistência é essa:
Não vale nada.

quarta-feira, 1 de dezembro de 2010

Poeta no inferno com diamantes


Imagem de um video dos Bealtes
Ponha aquela arma em sua cabeça
Puxe o gatilho quantas vezes quiser
Nenhuma bala irá sair
Está descarregada

Você pode correr o quanto puder
Neste labirinto de construções
Mas a euforia estimulada
Não vai te fazer feliz

Ouça aquela música bem depressiva
Imagine-se preso em uma corda
Que lhe aperta aos poucos
Esganando-te

É assim que se mata a alma
Ainda de corpo vivo
Melhor que estado vegetativo
Poeta no inferno com diamantes

terça-feira, 30 de novembro de 2010

Com a corda no pescoço


Imagem por: ~Makotis
Eu sei o meu destino
Eu sei o que irei fazer
E quanto encontrar-me com a corda
Sei que meu destino é morrer

Não ha luz no fim do túnel
Você sabe disso
Mas se você continua entrando
Então é por isso

Você continua marchando
Rumo ao mar
Mesmo que seus pés sangrem
Você quer se afogar

Encha o peito e mergulhe
Até não encontrar mais nada
Só depois de atravessar o túnel
Verás que a vida não vale nada

quinta-feira, 25 de novembro de 2010

Esquizofrenia Poética


Imagem por: ~pazonik
Vou explodir a qualquer momento
Explosão de ódio e sofrimento
Sou só mais um coração acabado
Morto, apodrecido e esquartejado

Venham, cuspam em meu caixão
Falem palavras de baixo calão
Destruam o meu maldito funeral
Tratem-me como um pobre animal

Nada pode deter a bomba em meu peito
Mesmo que me amarrem em meu leito
Culpem essa esquizofrenia poética
Que rompe as paredes da ética

sábado, 20 de novembro de 2010

O pulso não pulsa mais


Imagem por: ~anadesousa
O pulso não pulsa mais
É algo que me satisfaz
Morrer era meu sonho
No fogo a mão eu ponho

Agora que estou morto
E totalmente absorto
Reflito sobre o que passei
E vejo que nada sei

Uma vida marcada de caos
Repleta de pensamentos maus
Agora só há arrependimento
A morte é o meu firmamento

Fecho os olhos e os abro novamente
Tentativas em vão somente
De voltar à vida, reviver
Mas só o que resta é morrer
(No fogo do inferno derreter)

segunda-feira, 15 de novembro de 2010

Corações Perdidos


Imagem por: =GeorgiaPeaches

Em uma sociedade psicopata
De ideologia burocrata
Nascem corações perdidos
Imundos e vencidos

Quando a arte se desgasta
Mais que tubo de pasta
Cabem a eles a salvação
De uma arte sem coração

Espalhados por vários cantos
Corroendo-se aos prantos
Fazem parte da exclusão cultural
Muitas vezes até social

De que adianta dotes artísticos
Onde prevalecem os humorísticos
Num país de desdentados
Não sorri o bem humorado

sábado, 13 de novembro de 2010

Desafio dos 7

Vi no Spleen Juice um desafio dos 7, onde vou responder. Quem quiser ler, beleza. Quem não quiser, foda-se.

7 coisas que eu tenho que fazer antes de morrer:

1. Publicar um livro
2. Visitar a Inglaterra
3. Ser reconhecido pelo meu trabalho
4. Ir ao show do Iron Maiden
5. Descobrir o real significado do amor
6. Participar de algum grupo literário
7. Ser realmente feliz

7 coisas que eu mais digo:

1. Foda
2. Porra
3. Ramones
4. Caralho
5. Tenso
6. Pau no cu
7. Poisé

7 coisas que eu faço bem:

1. Escrever
2. Ser depressivo
3. Ficar mais "na minha"
4. Falar besteira
5. Ajudar sempre que possível
6. Ficar nervoso
7. Fazer nada

7 defeitos meus:
(só sete? rs)

1. Ser depressivo
2. Pessimista demais
3. Tímido
4. Indeciso
5. Fraco
6. Preguiçoso
7. Ser muito amigável

7 coisas que eu amo:

1. Os poucos amigos
2. Música (ROCK /,,/)
3. Literatura
4. Minhas coleções (CDs, DVDs, livros...)
5. Brasil
6. Ultrarromantismo
7. Movimentos punk e gótico

7 qualidades:

1. Não sou apenas um na massa
2. Escrevo bem
3. Tenho mente aberta
4. Penso sempre nos outros
5. Inteligente (pelo menos eu acho)
6. Respeito a vida e os demais
7. Sei me adaptar bem ao lugar ou às pessoas

7 pessoas que farão este jogo:
Ninguém :x

terça-feira, 9 de novembro de 2010

Nove Horas


Imagem por: ~addaen

Ele acordava, levantando-se de um salto na cama desarrumada. Eram nove horas. Passou a mão pelo rosto suado e levantou-se aos poucos, ainda embriagado pelo sono. Demorou-se um pouco ao se vestir, até que ficara completamente pronto e arrumado. Saiu do apartamento e pegou o elevador vazio. Ao sair, notara que o porteiro não estava na guarita, ninguém estava.

Caminhou pelas ruas e viu que tudo estava vazio, apenas os altos prédios, carros modernos, outdoors e todos os objetos da sociedade moderna viviam ali, reinando na paisagem urbana. Mas e as pessoas? Será que todos acordaram atrasados como ele? As casas fechadas, algumas de portas abertas, escancaradas, mas ninguém. Ele continuou seu trajeto feito um zumbi, caminhando pelas ruas desertas, com jornais voando seguindo a trajetória do vento que soprava com força por entre os prédios intactos naquela devastação biológica. Lembrou-se dos tempos de garoto, quando ainda vivia casado com os livros, ao estudar tal bomba que destruiria as pessoas, mas deixaria as coisas intactas. Seria a tal bomba motivo disto?

O sol refletia nas poças d’água proveniente da chuva que ocorrera pela manhã. Ele olhou para o alto, vendo os prédios com seus topos quase inalcançáveis de tão longos. Notou um prédio mais baixo, onde uma moça permanecia sentada na beirada, olhando para baixo como um suicida sendo magneticamente atraído pelo chão. Correu em direção ao prédio, entrando pela porta entreaberta com um empurrão e subindo pelas escadas, tendo em vista que era um prédio pequeno, de poucos andares.

Chegando ao topo, imaginou ter visto uma cruz gigante, mas quando o sol baixou, notou ser a moça, de braços abertos e em pé, esperando o vento lhe empurrar para baixo, indo de encontro ao chão. Correu até ela, puxando-lhe pelas vestes, fazendo-a esbarrar contra si. Sentiu a pele macia e quente da moça, torrada pelo sol. Ela levantou o olhar em direção ao rosto do rapaz, que ainda não entedia aquele momento. A garota gemeu de leve, afastando-se do rapaz, que deu alguns passos para trás, mas voltou a caminhar em direção à moça, que se aproximava mais da beira do prédio, pronta para morrer.

- Não... – soltou o rapaz, com uma voz fraca, como se há anos não falasse.

- É tarde... Adeus... – a moça despedia-se, com uma voz melancólica.

E ela pulou.

Ele acordava, levantando-se de um salto na cama desarrumada. Eram nove horas.

domingo, 7 de novembro de 2010

A piada e o poeta


Imagem por: *BenoitPaille

Qual a diferença entre
A piada e o poeta?
Na piada você ri da desgraça
E o poeta ri na desgraça

sábado, 6 de novembro de 2010

Maioridade


Imagem por: ~Latuff2
Eu não quero mais ser menor de idade
E continuar vivendo sem liberdade
Eu não quero mais ser antissocial
Por não ter meu direito judicial

Eu fico esperando a minha alforria
Enquanto alguns dizem: "-Sorria!
Que a infância é a melhor fase, não tem jeito"
Mas que merda eu faço sem meu direito?

Quero sair sem dar satisfação
Seguir o que manda o coração
Mandar para a puta que pariu

Qualquer um que me atrapalhar
Morrer aos vinte e sete sem amar
Do que ser uma merda de amante senil

quarta-feira, 3 de novembro de 2010

À sociedade, com carinho, que se foda


Imagem por: ~deadyet

Enfrente seus medos mortais
Que lhe rasgam feito animais
Corroem a sua mente surreal
Um medo antissocial

Você pode tentar se esconder
Mas seu medo vai lhe percorrer
Posso-me autoproclamar sociável
Mas meu ódio pela sociedade continuará estável

Por mais que ela tente me esganar
A sociedade não pode me matar
Por isso meu poema existe

Serve como meu escudo poético
Contra o opressor antiético
Como posso sorrir diante de uma sociedade triste?

por: Lima Júnior

domingo, 31 de outubro de 2010

Vontade de Não-Viver


Imagem por: ~CaptainBoneDaddy
Eu não quero mais viver!
Meu desejo agora é morrer
Deixe-me pegar aquele punhal
E me rasgar feito um animal

Quero em meu sangue afogar
Até nenhuma gota sobrar
Quebrar meus punhos na parede
Enforcar-me com os punhos da rede

Transformar meus ossos em pó
Antes morto do que só
Furar a cabeça com a mão
Até o cérebro cair no chão


Quem sabe depois de morto
Acabe esse meu viver absorto
Nos pensamentos infernais
Que transcendem as dores carnais

quarta-feira, 27 de outubro de 2010

Morte ao poeta


Imagem por: ~vladder


Em momentos de total incompreensão
É quando sinto o pulsar do coração
Mostrar que ainda estou presente
Vivo, apesar de mentalmente ausente

Todos esses sentimentos marcantes
Que envolvem minhas ilusões alucinantes
São representados por uma incógnita infalível
Que vive em meu peito irresistível

É nessas horas de dor e lamento
Que eu pereço ante ao sofrimento
Antes de chegar à loucura

Então compreendo ao fim do ato
Que minha opção ao dom nato
É morrer pela literatura

domingo, 24 de outubro de 2010

Cabo Eleitoral

Imagem por: ~rb-lopes

Se você bajula aqueles malditos
Corsários extremamente explícitos
Lembre-se de que eles te ignoram
Você é ralé para aqueles que te exploram

Eles não estão nem aí!

Saiba que você é tão desprezível
Quanto um ser invisível
Um idiota querendo ser intelectual
No meio de um grupo banal

Eles não estão nem aí!

Eles querem apenas seu voto
Cabo eleitoral ignoto
Na sombra de um candidato
Você é o voto mais barato


Por: Lima Júnior

sexta-feira, 15 de outubro de 2010

Delírios Poéticos


Imagem por: ~jump-button

Eu sou o oxigênio heteroátomo errante
No meio de uma massa de carbonos malditos
Vivendo como se fosse um deles
Perdido em meus sentimentos aflitos

Meus pensamentos correm como o elétron
Ao pular de camada em sua jornada natural
Sentindo a ânsia de escrever algo
Que conforme minha alma antissocial

Talvez com algumas doses de álcool
E noites malditas e poéticas
Ao som de músicas depressivas
Venham-me inspirações elétricas

Ao palpitar o coração perdido
Jovem preso a amores frustrados
Sentindo a força de um sentimento
Que o torna o líder dos derrotados

Expressão que outrora culminava
Em noites de ideias trocadas
Hoje tornam apenas confissões
De jovens de vidas trancadas

O que vale então ao gastar horas
Escrevendo algo sem valor
Quando posso então em outra forma
Expressar todo o meu rancor?

Chega! Não suporto minhas contradições
Pois enquanto escrevo meus sofrimentos
Acabo afirmando a conclusão
De que são inúteis pensamentos

Então eis o motivo de escrever:
É fugir de uma realidade
Que esmaga meus sonhos
Com altíssima intensidade!

segunda-feira, 11 de outubro de 2010

Noites


Imagem por: ~mIKEmORPHINE

Em noites macabras
Eu apenas escrevo
Minhas emoções estampadas
Em alto relevo

Em noites vazias
De solidão avassaladora
Minha alma vira
Da tristeza pastora

Em noites melancólicas
Com sofrimento eterno
A dor aparece
Vestida de terno

Em noites tediosas
Aos prantos adormeço
Pensando em ti
Eu apenas padeço

domingo, 19 de setembro de 2010

Soneto do Antissocial

Imagem por: !Two-For-Tragedy

Ei? Por que vens falar comigo?
Eu não quero ser o seu amigo
Pois eu não tenho nenhum
Logo não sei agir como um

Ei? Qual o motivo da sua aproximação?
Eu não preciso de uma relação
Pois eu sou um ser antissocial
Vivo solitário como um animal

Saiba que eu sou o lobo solitário
Que age feito um otário
Com medo de amar

Sou um repelente de pessoas
Sejam elas más ou boas
Apenas não sei falar

quinta-feira, 9 de setembro de 2010

Promessas

( História baseada nos personagens Shinji e Asuka da série Evangelion, porém não são eles aqui. )

Imagem por: ~papawaff

- Lembra quando éramos pequenos e prometemos ficar juntos para sempre? – o garoto aproximou-se mais dela, sua respiração ficando mais intensa.

- Shinji... – ela repousou as mãos nos ombros do rapaz. – Lembro perfeitamente.

A garota então encostou o rosto no corpo dele, deixando seus cabelos alaranjados esvoaçarem pelo busto do rapaz. Seu olhar era vago em direção ao lado, até a parede.

- Asuka... – ele engoliu em seco, seu corpo estava paralisado e ele precisava continuar falando. – Eu te amo.

Ela apertou com vontade os ombros do rapaz e levantou o rosto, indo de encontro ao dele. Fitou-lhe nos olhos por algum tempo e foi falando aos poucos:

- Eu também te amo, Shinji...

Os dois ficaram se entreolhando por algum tempo, até que deram a iniciativa ao mesmo tempo. Seus lábios se tocaram e aos poucos se foi formando um longo e delicado beijo. Ela moveu as mãos, enlaçando-as em volta do pescoço do garoto, enquanto ele deixava as suas na cintura dela. O beijo fora ficando cada vez mais intenso, Asuka puxou-o pela gola da camisa em direção a parede, deixando-a encurralada.

- Shinji, me possua... – dizia a garota, com o rosto bastante avermelhado e em um tom tímido.

O garoto, apesar da timidez, consegui seguir adiante, de acordo com o desejo da amante. Desceu os beijos pelo pescoço dela, enquanto Asuka gemia baixo e passava a mão pelos cabelos do rapaz, despenteando-os.

Após o momento de amor entre os dois, eles encontravam-se sentados, encostados à parede.

- Shinji... – disse Asuka, pegando em sua mão. – Promete viver comigo para sempre?

- Sim, prometo. Seremos um só ser...

- Um só ser...

terça-feira, 7 de setembro de 2010

Sete




Sete são as minhas chances de ir ao inferno
Sete foram as tentativas de me declarar
Sete oportunidades tive de esquecer você
Sete são os meus pecados por te amar

Sete foram os meses que passaram e ainda te amo
Sete sacrifícios eu faria por você
Sete vezes meu amor por ti fora multiplicado

domingo, 5 de setembro de 2010

Tardes de domingo

Imagem por: ~pontoderebucado

As tardes de domingo me são melancólicas
E eu não quero ser consumido por elas
Como fui consumido pelas poesias bucólicas
Ou como a poeira no vidro pelas flanelas

Quando o ar matinal invade as grades do meu quarto
Eu sinto todo aquele sentimento incomum em meu peito
É como morrer após o parto
Com a esperança em forma de criança no leito

E o tempo age de forma malígna
Como uma faca rasgando a minha pele
Um vulto me esperando na esquina
Esperando eu passar para que se revele

Toda essa angústia vai continuar
Enquanto as tardes de domingo existirem
Então não adianta reclamar
Enquanto minhas esperanças não sumirem

terça-feira, 31 de agosto de 2010

Surto Psicótico Progressivo



Imagem por: ~PennyisBroken

Tanta coisa ecoa em minha mente
Tudo gira em vão somente
Todas as informações, fatos e cotidianos
São processador por neurônios insanos

Todo momento pseudofóbico
É interligado ao medo mortal
Me tornando um ser neurótico
Um ser totalmente antissocial

Pãnico, stress e depressão
São os momentos cruciais
Onde o meu pobre coração
Vive temores infernais

I WANNA WANNA SHOCK TREATMENT!

sexta-feira, 27 de agosto de 2010

Eu sou o soldado anônimo


Imagem por: ~Neoelfeo


Eu sou o soldado anônimo, pronto para morrer em batalha
E ser lembrado nos especiais de televisão do meu feriado
Eu vejo as balas raspando nos capacetes dos meus colegas mortos
E rezo para que o meu corpo seja ao menos encontrado

Eu quero que o Estado lembre dos meus filhos
E não os deixe sozinhos sem o que comer
Eu quero que o Estado não esqueça do meu nome
E não deixe o sonho americano, assim como nós, morrer

Espero que eu não vá para o inferno
Pois matei poucos iraquianos
Espero passar a eternidade no céu
Onde existe além dos marcianos

Quando eu imaginava os mais floridos jardins celestiais
Uma bala acertou o meu parceiro de trincheira
E lembrei que não precisava de um inferno
Pois a Terra já era uma eterna lixeira

sexta-feira, 20 de agosto de 2010

The Final Frontier

Hoje foi um dia bem foda. Separo meus dias em Normal Days, Golden Days e Fucking Days. Hoje foi um Golden Day, ou seja, dia importante ou muito bom. Dei uma voltinha pelo centro da cidade hoje com um amigo, passei pela famosa galeria do rock daqui, que nunca havia ido antes. Meu objetivo era simplesmente comprar o novo álbum do Iron Maiden e, se desse sorte, comprar a edição limitada.

O lugar era legal e tals, bem interessante. Chegando em uma das lojas, eis que eu e meu amigo nos deparamos com a edição limitada do The Final Frontier, novo álbum do Maiden. Compramos um pra cada, além de outras coisas (ele gastou uma porrada de dinheiro com dvds e eu com um cd do The Doors, o L.A. Woman), depois fomos em outras lojas, comprei um dvd dos Ramones ( <3 ) e depois de mais umas caminhadas ( ele ainda comprou camisas de futebol ), paramos perto do colégio e nos separamos. Voltei ao colégio, bebi água e fui ao ponto de ônibus, onde o ônibus demorou pouco, menos de quinze minutos. Quando cheguei, ainda fui à banca, falar com o “cara da banca” que curte metal, mostrei o cd e ele achou pirado. Comprei a edição 104 de Homem-Aranha e enfim voltei para casa, morto de cansaço, aheuheuehue.


sexta-feira, 13 de agosto de 2010

Retrospectiva

O quarteto de Liverpool fazer sucesso
A primeira ópera-rock que o The Who criou
O primeiro show do Van Halen e seu ingresso
Em Woodstock foram quatro dias de rock 'n' roll

Quando Ozzy saiu do Black Sabbath
E o Dio entrou prometendo arrasar
Quando o quarto do Led Zeppelin chegou
E quando o Deep Purple se fragmentou

Os Ramones ainda eram uma lobotomia adolescente
Quando os membros do Kiss foram desmascarados
Depois que o Iron Maiden virou um sucesso crescente
Os Rolling Stones ainda eram consagrados

Tudo isso, que era bom, eu perdi
E só no século vinte um eu nasci
Será que valeu a pena tudo perder
Para nessa geração maldita viver?

terça-feira, 3 de agosto de 2010

Poema do Fracasso

Há um momento em que a espada enfraquece
E então eis que o meu espírito enegrece
Logo após sou afetado pela exaustão
E rompem-se as veias em meu coração

Todo homem sabe a hora de desistir
É quando ele deixa de sorrir
Creio que minha hora está chegando
Infelizmente não morrerei amando

Restam ainda alguns resquícios de resistência
Que exalam em meu peito com veemência
Mas meu peito está cansado de sofrer
Agora só me resta esperar até morrer

quarta-feira, 14 de julho de 2010

Faixa 18

Me ame mais que uma vez
Melhor me ame por três
Vamos juntos arder na cama
Até que nossos corpos virem lama

Que nosso amor siga a nota
Desta música de alegria
Que nosso romance tome rota
Nessa lindíssima sinfonia

E nesses dias estranhos
Onde somente te amei
Não houve mais acanhos

Só beijos lhe dei
Somente juras de amor
Para acalmar minha dor

segunda-feira, 19 de abril de 2010

IX Bienal do Livro do Ceará

Ontem foi o último dia da 9º Bienal do Livro do Ceará. Durante os dez dias do evento, ocorreram diversas palestras, lançamentos e diversas programações. Como não tive muito tempo, só consegui ir no último dia, sabendo que só iria comprar quadrinhos, e nada mais. Dito e feito. Gastei toda a grana que andei acumulando em quinze quadrinhos, sendo dez comics e cinco mangás.


Yu Yu Hakusho (JBC) ed. 11 à 14 e Hunter x Hunter (JBC) ed. 23

O mercado de mangás vem crescendo surpreendentemente, dando destaque às editoras JBC e Panini, que agora lançam os mangás no formato original. O único problema em relação aos mangás são os seus preços, que estão cada vez mais caros. Diferentemente do começo, quando as editoras transformavam o tankohon (edição japonesa) em duas edições brasileiras, deixando-os com um preço mais acessível. Mas naquela época, esse recurso fora usado para conquistar o mercado de consumo, que ainda era novo em relação aos mangás. Yu Yu Hakusho é um exemplo daquela época. Comprei as quatro edições por preço de capa, que valem R$ 3,90 cada. Naquela época, quando o mangá se consolidava, na metade das edições o preço mudava (tanto que em YYH, em algumas edições à frente o preço aumentou para R$ 4,90). Já Hunter x Hunter é diferente. Chegando em uma nova era da JBC, o mangá veio em formato original, custando R$ 10,90 (foda que comprei-o por preço de capa :T).

Spider-Man Collection ed. 7 (Abril); Super-Heróis Premium ed. 21 (Abril); Dinastia M ed. 1 (Panini); Os Fabuloso X-Men ed. 38, 46 e 44(Abril)



Batman - O Messias ed. 1 (Abril); Marvel Millennium - Pesadelo Supremo ed. 2 (Panini); Homem-Aranha & Gen 13 (Abril); DC Millennium ed. 1 (Brain Store)

O mercado de Comics no Brasil é o mais vertiginoso. Primeiramente, os quadrinhos americanos eram ridicularizados e com conotações infantis em editoras hoje falidas. Depois, os direitos autorais da Marvel e da DC Comics foram parar nas mãos da Abril Editora, que fez um sucesso incomensurável com o formatinho dos quadrinhos, que depois passaram para o formato americano, mas logo a editora perdeu seus direitos com as empresas. Eis que surge a revolução das Comics no Brasil: quando a Panini fica responsável pelas empresas Marvel e DC Comics, sendo a dona das marcas até hoje. A editora mostrou-se competente com as séries, tentando acompanhar os EUA (apesar da diferença cronológica ser quase um ano, mesmo assim está ótimo). Mas recentemente, a empresa fez grandes mudanças, cancelando algumas séries e implantando novas, aumentando e reduzindo o número de páginas e preços das séries restantes. Essa nova fase ainda é recente, logo só resta convivê-la para ver no que vai dar.

Ainda há outros ícones nas Comics, como a Pixel (selo Vertigo), a Brain Store (Batman, Hitman, Etrigan e, principalmente, Lobo), entre outras. Essas são dignas de colecionadores! Algumas edições que comprei (como a DC Millennium e Batman - O Messias), são raridades que considero ter tido sorte ao encontrá-las em promoção.

Bom, essa foi a primeira grande matéria no blog. Estou desviando um pouco o foco inicial do blog, mas, como eu disse desde o começo, esse será um blog pessoal. E essa matéria foi uma espécie de crítica & reflexão pessoal. Em breve, continuarei postando a série The Avenger Shizumi. Acho que só, até! o/