sexta-feira, 30 de dezembro de 2011

Críticas de um homem do terceiro milênio

Imagem por: ~YuriBeltran

O homem moderno senta todos os dias em frente ao computador, digita sem parar e nunca para pra pensar é um mísero escravo de suas próprias invenções. Escuta as músicas feitas para afastar suas ideias, age conforme lhe é ordenado. Os mais revoltados, reclamam sem sair do lugar, alguns até tentam, mas descobrem que são apenas peças do tabuleiro. Escutam músicas fora do padrão, algumas mais velhas que eles mesmos, mas não percebem que seus ídolos foram milhões de vezes mais livres e por isso jamais entenderão o significado das músicas, apenas balançam a cabeça achando que é legal, mas não sabem que o mundo está além das portas dos shopping centers.

 Somos todos escravos de nós mesmos. Não temos mais nenhum Vietnam, quer dizer, até temos, mas na nova era ao menos temos outras coisas pra nos distrair e deixar de lutar por algo. O negócio não é comer cu e boceta, mas se aquietar e deixar rolar. Crescemos vendo desenhos na televisão, mas esquecemos dos heróis e só nos lembramos da porrada.

Por: Lima Júnior

Nenhum comentário:

Postar um comentário