terça-feira, 5 de junho de 2012

Angústia Infinita

Imagem por: =mimulux

Certos dias que me tranco no meu quarto escuro
Palavras querem sair de minha boca fria
São como as pedras que às vezes jogo no muro
E na angústia não ouço mais o que outrora ouvia

Fora de mim são sete bilhões de pessoas
Mas dentro de mim não há unidade sequer
Eu não me sinto entre as coisas boas
Sinto-me triste, não importa o que eu fizer

A escuridão consola a minha alma
Pois ela toca a minha pele morta
Com um carinho que quase me acalma
E espera eu dormir para fechar a porta

Sonho com vidas que eu nunca tive
Imaginando o meu mundo melhor
Eis que num pulo, tive um declive
E quando acordo, sei que estou pior

Minhas esperanças estão soltas pelo chão
São como facas que eu evito tocar
Porque sei que, trêmulo, com minha mão
Sofro a angústia de sempre me cortar

No fim das contas apunhalarei meu peito
Morto com as esperanças dentro de mim
O corpo frio jogado em meu leito
Olho para o céu sabendo do meu fim

Por: Lima Júnior

Um comentário:

  1. Simplesmente perfeito, não há mais o que se dizer.
    Mente genial!
    Parabéns.

    ResponderExcluir