quinta-feira, 31 de janeiro de 2013

Ao sorriso falso de cada dia

Imagem por: `IreneLangholm
Escondo no peito uma tristeza
Ofuscada pelo meu sorriso
Mas qual o sorriso que não há dentro de si
Uma tristeza escondida?

Tristes são teus lábios
Que me enganam quando me beijas
Com beijos tão molhados
Quanto a tua fria angústia

E eu sigo feito um defunto
Fingindo ser aquilo que não sou
Um sorriso que não é meu
Uma angústia que não é minha

Mas sua
De todos
E acaba sendo minha também
Porque somos todos homo sapiens angústia

E o que fazer?
O que fazer quando sei a verdade verdadeira
Que é o destino fatal de todo ser
Ser alimento do verme
(Inclusive o próprio verme)

O que fazer?
O que fazer...

Sorria, você está sendo.

Por: Lima Júnior

domingo, 27 de janeiro de 2013

Quantas curtidas essa poesia merece? (ou a hipocrisia do ano novo)

Imagem por: *NerySoul

Os cigarros estão acabando,
Já não há mais filmes pornôs para assistir,
Estou nos últimos dias de janeiro
E não vejo nada de feliz neste ano novo.

Eu não paguei a conta de luz
Eletricidade não é nada para mim,
Quando já não tenho mais energia de vida...

Ainda me sobrou uma garrafa de cachaça
Entre tantas teias de aranha.
Tomo um gole como se fosse o último,
Preparando-me para o meu velório
Pontualmente, ao meio-dia de amanhã.

Você irá comparecer?
Ou apenas ficará de luto na rede social?

Por: Lima Júnior

quinta-feira, 10 de janeiro de 2013

Eu vi sua calcinha ontem à noite

Imagem por: ~pen-gwyn

Como todo bom garçom
Servi você com delicadeza
E trouxe gentilmente
Sua bebida até a mesa

Porém não pude desviar
E olhei para sua beleza
Você talvez tenha percebido
Que essa era a minha fraqueza

Pois quando eu voltei
Para te bem atender
Você subiu um pouco a saia
Consequentemente, pude ver

Sua coxa bem torneada
Exposta só para mim
Levou-me a loucura
Quase deixei-me, por fim

Atirar-me aos seus pés
E beijar aquela doce perna
Mas consegui me conter
Através de uma força interna

Na terceira vez que lhe servi
Você me chantageou novamente
Deixou o celular entre as pernas
Fingindo abobalhadamente

Como se o esquecera por lá
E com sua luz ligada
Eu pude notar com clareza
A sua calcinha bem colada

Aquilo pra mim foi crucial
Quase não pude me conter
Senti uma vontade imensa
De ali mesmo com você foder

Mas eu, como pobre escravo
Daquele trabalho assalariado
Me contive tão cabisbaixo
Que no dia seguinte, alucinado

Pedi minhas contas no emprego
Hoje eu estou desempregado
E vivo esperando você
Me chamar de seu namorado.

Por: Lima Júnior

quinta-feira, 3 de janeiro de 2013

Abra suas pernas para mim

Imagem por: ~KO-Corral

Abra suas pernas para mim
Deixe-me explorar-te
Até os teus lindos confins
Sou teu marinheiro, quero navegar-te

Do teu sexo aos teus lábios
Quero catalogar cada centímetro
E teus segredos tão sábios
Dominar nas mãos feito um cetro

Rondar teu pescoço nu
Com vermelhões de minhas chupadas
Ficar nesse tu e eu, eu e tu
Até não sobrar nada das nossas gozadas

Deixar que me arranhe as costas
De uma maneira tão animal
Com as feridas grandes e expostas
Excitando-me até crescer o meu pau

Por fim, dar-te uma overdose de massagens
Pelos pés, braços e cotovelos
Fechar os olhos e imaginar imagens
Que me eriçam todos os pelos

Por: Lima Júnior